Visitas do site:
Contador de visitas
Ligue o som do seu computador
UMA SAUDADE CHAMADA TUÑA
   

UMA SAUDADE CHAMADA TUNAN

 

Tuña é uma palavra indígena oriundo da lingua tupi guarani, cujo significado é negro, escuro. Assim, esse labrador de pelagem lisa, escura e brilhante recebera esse nome. Tal qual a origem de seu nome, foi um guerreiro indígena na acepção da palavra, quando esteve conosco partilhando com suas brincadeiras e demonstrando todo o amor àqueles que um dia o recebeu. Nasceu aos 13 de junho de 2001, Dia de Santo Antonio, e chegou dentro de uma cesta de palha, tipo café da manhã, trazido pelo seu mais novo companheiro, Lucas, filho de Marly. Estava de banho tomado e com uma fita vermelha em forma de laço ao pescoço. Muito lindinho!

Eram 2 horas da manhã quando Lucas chegou à sua residência e foi acordar sua mãe para que o conhecesse. Sonolenta, Marly não dera muita importância ao fato, pois, não queria mais nenhum animal em sua casa. Questionou ainda que raça seria e ao saber que se tratava de um labrador perguntou a seu filho se iria crescer muito, sendo-lhe respondido que seria do tamanho de Pitchula, de porte grande. Lucas insistiria para que ao menos ela o conhecesse, o que acabou acontecendo e concordando com o novo “integrante” da casa, desde que Lucas cuidasse dele.

E em seu primeiro dia de cuidados, logo ao amanhecer, Lucas foi acordado por sua mãe para que fosse limpar as sujeiras de Tuña. Antes dele, por lá haviam passados Pity, um cãozinho que em razão de sua idade avançada ficara cego e desaparecera de sua casa; Pitchula, sem raça definida, era uma cadela que insistentemente permanecia à frente da casa como a postular um lugar na família Silva Moraes. E, acabou conseguindo, pois, conquistou com seu olhar pidonho um cantinho naquela casa de família harmoniosa e feliz. Um dia, quis o destino que partisse em definitivo, doente que estava por problemas renais. Mas, deixou saudades eternas com sua ferocidade em guardar a casa daqueles que um dia souberam ampará-la e amá-la, recolhendo-a das ruas; Willy, um Poodle Toy muito lindo, ficaria para trás nos caminhos da vida e faleceria devido à idade avançada. Tuña era seu grande companheiro e sentiu muito com sua falta. Agora seria a “bola da vez”. Crescera mimado, passando a receber a atenção de seus donos e ser tratado como mais um da família Silva Moraes. Mas era preciso fazê-lo esquecer de Willy. Para tanto, ganharia de presente o cãozinho Fred, um “verdadeiro bibelot” natural de Ubatuba, de pelagem branca, que, rejeitado por seus donos em razão de sua arcada dentária, fora oferecido à Karina. Foi o presente que o deixaria imensamente feliz por toda a vida, até a chegada da inevitável e definitiva separação.

 

 08/03/2010 - APÓS O BANHO E TODO SORRIDENTE PARA TUÑA.

 

Aos quatro anos de idade e possuidor de rara beleza e esplendor físico, tornar-se ia um herói da Pátria quando, desfilando na Avenida do Povo em Taubaté no dia 7 de setembro de 2004 e servindo de cão-guia a Marcelo, um deficiente visual, chamaria a atenção de milhares de espectadores. Ao chegar defronte o palanque oficial, se apresentou ao Prefeito Bernardo Ortiz e à primeira dama, Jandira Ortiz, ficando em pé e cumprimentando-os. Era exemplo e a glória consumada ao servir um ser humano, guiando-o no infinito de suas imaginações.

Como todo labrador, sua pelagem lisa e brilhante chamava a atenção de todos, aliado à sua docilidade e amabilidade. Fred seria o protagonista de um amor correspondido por Tuña, certamente formalizado em razão de sua tenra idade e que instintivamente Tuña tornara-se seu protetor. Foram anos que se passaram e que a cada dia, mais e mais, a união entre ambos e o amor que existia entre eles somente poderia ser testemunhada por seus donos ou então pela luz da madrugada, que suavemente acorda os passarinhos sem querer assustar os que ainda sonham nos ninhos.

Tuña, Fred, seus donos e todos que lhe eram caros, passariam por um pesadelo no fatídico dia 29 de dezembro de 2012, um sábado do verão brasileiro para ser esquecido, mas que teimosamente insiste em permanecer em nossas memórias. Naquele dia, antevéspera do final do ano, Fred desapareceria misteriosamente levado por mãos estranhas de pessoas inescrupulosas, e que não levariam em conta a dor, o desespero e a tristeza de uma separação. Quantas noites sem dormir, quantos pensamentos duvidosos a vagarem pelo infinito, quanto sofrimento pela perda inesperada de um grande “alguém” não passaram Marly, Andrezza, Karina, Lucas e principalmente sua alma gêmea, Tuña! Foram meses de angústia e aflição, com buscas incessantes e infrutíferas. Preces foram elevadas aos céus e assim, quiseram o destino e o tempo, este, julgador imperecível de todas as coisas, que o sofrimento tivesse fim, e Deus, Onipotente e Onipresente devolveria Fred para o convívio novamente de todos.

No dia 28 de dezembro de 2013, um dia antes que completasse um ano de seu desaparecimento, coincidentemente Fred apareceria como que milagrosamente à sua casa e para alegria de todos. Tuña não sabia o que fazer, e Fred, quase que sufocado por seus abraços e suas brincadeiras era um contentamento só, uma alegria imorredoura, uma paz sem fim! Todos voltaram a sorrir. Todos estavam felizes.

Meses depois, como que esperando a volta de Fred, Tuña passou a apresentar problemas de saúde, começando assim, uma vida de sofrimentos. Padeceu imensamente com uma doença impiedosa, insidiosa e devastadora, que não lhe dava tréguas e nem chance de defesa. Porém, Tuña continuava forte e mais que um amigo, o irmão mais velho de Fred e o mesmo amigo de seus donos, agradecido que era pelo tratamento despendido. Lutou bravamente contra esse mal, tanto quanto lutara pela espera do retorno de Fred que afinal, acontecera. Mas, fora em vão...

Tratei da beleza estética de Tuña e Fred por quase dois anos, tendo seu primeiro banho e o de Fred ocorrido em 23 de dezembro de 2009, tempo suficiente para entender o amor incondicional que ambos partilhavam. Ao chegar à sua casa para transportá-los para o banho semanal, primeiro precisava colocar Fred dentro do compartimento da Fiorino para depois Tuña correr para ficar ao seu lado.

 

08/03/2010 - APÓS O BANHO  E COM O OLHAR ATENTO EM FRED.

 

Nunca vira coisa igual! Acompanhei seu sofrimento por algumas vezes que fui visitá-lo, coisa muito triste de presenciar, pois, convivi com Tuña com uma saúde de causar inveja. Na semana de seu falecimento fui visitá-lo como de costume aos sábados à noite. Marly me recebera de maneira como que trocando palavras e logo percebi o inevitável. Não mais seria possível dar-lhe bifinhos de frango ou bolachas da Pedygree que tanto gostava. Também não mais poderia tocá-lo, beijar seu focinho e abraçá-lo como sempre fizera.

Tuña partira deste mundo para viver com seu Criador, com certeza, um lugar onde não se possa subtrair um melhor amigo e onde doenças incuráveis não existam. Despediu-se de nós com um "até breve" no dia 12 de setembro de 2014, às 15.40 horas de uma sexta feira do crepúsculo do inverno brasileiro, da mesma maneira com que fora recepcionado por Marly, outrora, dentro de uma cesta de palha. Somente ela teria a oportunidade de lhe dirigir as últimas palavras. Fred seu amiguinho inseparável ao presenciar seus últimos momentos e quando do segundo final, saiu de perto e foi para o quintal, como que olhar para os céus e pedir a Deus que recebesse e guardasse seu amiguinho em seu Reino.

Tuña está sepultado no Sítio Itacuruçá, de propriedade do Dr. Celso Sá Rodrigues, amigo da Família Silva Moraes, e que de maneira prestimosa, gentil e humanitária cedeu sua propriedade para que ali pudesse ser sepultado, tal como Willy. Obrigado doutor Celso, lá no alto dos céus existe um Grande Homem, Onipotente e Onipresente que caminha com um Grande Livro sempre atualizando suas contas. E Esse Contabilista com certeza, jamais errou...

À você Tuña, a certeza de que um um dia, possa tê-lo e apertá-lo em meus braços novamente. E, enquanto esperarei ansioso por esse momento tão gratificante, há de ficar guardado para mim, nas mãos do Criador.                                                                     

 

PROFº GILBERTO DA COSTA FERREIRA - HISTORIADOR, PESQUISADOR E ESCRITOR. COORDENADOR TÉCNICO DO MEMORIAL GENERAL JÚLIO MARCONDES SALGADO.      

cfgilberto@yahoo.com.br                                                              

Compartilhar essa informação:
Deixe um comentário:
Título:
Comentário:
Nome: E-mail:
 
Seja o primeiro a comentar!
Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 - Proibida reprodução sem autorização
Desenvolvido por Fábrica5