Visitas do site:
Contador de visitas
Ligue o som do seu computador
YVES RUDNER SCHMIDT
   

UM MAESTRO DE PRIMEIRA GRANDEZA

 

Yves Rudner Schmidt nasceu em Taubaté-SP, aos 09 de junho de 1933, sendo filho de Ulysses Carlos Schmidt e de Lydia Rudner Schmidt, ambos filhos de alemães.  De uma família composta por seis irmãos, a saber, Thereza Yanesse Rudner Schmidt Cardozo, Yves Rudner Schmidt, Yancey Carlos Rudner Schmidt, Yeda Maria Rudner Schmidt, Yradier José Rudner Schmidt e Yamar Luiz Rudner Schmidt, todos naturais de Taubaté-SP, sendo que apenas Thereza e Yves, nasceram na Rua Visconde do Rio Branco, atual 490, e os demais irmãos na Rua Engenheiro Fernando de Mattos.

Seus pendores artísticos se fizeram notar ainda criança com apenas nove anos de idade, quando se apresentou no Primeiro Recital de Piano Público, realizado no Taubaté Contry Club, expondo ali todo os ensinamento adquirido dos professores Heinrich Petters (Teoria, solfejo e harmonia) e Maria do Carmo Lins Prado (piano). Ali estava desenhada toda uma carreira futurística e artística daquele menino loirinho e taubateaninho notável, que, no decorrer de toda trajetória cultural jamais negou suas origens de homem do interior, muito pelo contrário, propagaria a terra de Monteiro Lobato em todos os lugares por onde se apresentaria.

Em 1946, com treze anos de idade, compôs de sua autoria, uma valsinha para piano. Seu talento era demasiadamente grande para permanecer em sua terra natal, pois, esta não possuía um Conservatório, daí resultando sua ida para a Capital do Estado com a finalidade de aperfeiçoar-se em música e, mais tarde, com a conseqüente preparação para o vestibular no Conservatório. Em 1949, após completar os estudos que se faziam necessários, presta exames de seleção e obtém aprovação para o Conservatório Dramático e Musical de São Paulo. Sua consagração maior seria coroada de pleno êxito com a formatura acadêmica no histórico e glorioso Teatro Municipal de São Paulo.

Tendo o idealismo e o empreendedorismo como razão de sua magnitude cultural, funda a Associação Brasileira de Jovens Compositores em São Paulo, da qual foi seu Diretor. Prosseguindo a deslumbrante carreira que escolhera, é convidado a fazer trilhas sonoras para películas cinematográficas e peças teatrais, tendo realizado inúmeras composições entre os anos de 1952 e 1956. Em 1953, é formulado um convite por seu primo Afonso Schmidt (Cubatão, 29 de junho de 1890 – São Paulo, 03 de abril de 1964) escritor de renome, jornalista, dramaturgo e ativista anarquista brasileiro, oferecendo-lhe uma bolsa de estudo na União Soviética (Rússia), entretanto, Yves Rudner Schmidt não aceitou, tendo em vista a obrigatoriedade de se filiar ao Partido Comunista.

Nesse mesmo ano é premiado com a Medalha de Ouro, por ter conseguido o primeiro lugar no concurso de piano dos formandos do Curso de Virtuosidade (Concertista) do Conservatório Dramático e Musical de São Paulo. Quando de sua formatura do Curso de Concertista do Conservatório Dramático e Musical de São Paulo, realizado no Teatro de Cultura Artística, executa o Concerto em Do Maior, de Bach-Boskoff. Também em 1953, forma-se pelo Conservatório Paulista de  Canto Orfeônico. Em maio de 1955, lhe é outorgado o Diploma Honorífico de Membro Correspondente do Archivo General de 1ª Música Nacional de Buenos Aires-Argentina. Sua primeira apresentação pública no exterior ocorre na Rádio El Mundo de Buenos Aires, Argentina, alcançando grande sucesso e repercussão.

Em 08 de novembro de 1956, assumiu pela primeira vez a direção da Orquestra Sinfônica de Taubaté, em substituição ao maestro Carlos Norberto Aliandro, que adoecera. A apresentação teve como palco o Teatro Metrópole de Taubaté e com a finalidade de compor o espetáculo de ballet dirigido pela bailarina Myrian Hirst. Nessa noite de gala estariam presentes dentre as bailarinas, sua irmã Yeda Schmidt, bem como Célia Benelli Campello, a nossa querida Celly Campello, que já nessa época se apresentava cantando na Rádio Cacique de Taubaté e que mais tarde seria considerada a Rainha do Rock. Maestro Yves, nessa ocasião, apresentou composições de sua autoria. Foi uma apresentação impecável para uma noite memorável.

Em 1958, os Irmãos Vitale Editores S/A, de São Paulo, editaram as composições para piano intituladas “Dois Ponteios”, as quais seriam as primeiras de uma série de mais de cem outras composições impressas. No dia 29 de agosto de 1958 seu valor como músico começa a ganhar corpo e reconhecimento, quando recebeu a Medalha Sylvio Romero pela Secretaria Geral da Educação e Cultura da Prefeitura do Rio de Janeiro, por ocasião das comemorações do 10º aniversário da Comissão Nacional de Folclore. Nesta área, Yves teve participação decisiva e importantíssima, exercendo papel de destaque como Membro da Comissão Paulista de Folclore, do Centro de Pesquisas Folclóricas Mário de Andrade. Compôs inúmeras peças, defendeu teses e publicou livros, sobressaindo-se nas pesquisas de campo propriamente ditas, ao lado de personagens ilustres como Rossini Tavares de Lima, Renato Almeida, César Guerra Peixe, Hernani Donato, Laura Della Mônica, dentre outros nomes de relevância do nosso Folclore.

Em 1959, o Brasil lamentava sua ida para o Exterior, mais precisamente para a Alemanha, entretanto, louvava-o pela iniciativa e augurava-lhe toda a ventura deste mundo, tendo em vista seu objetivo de aperfeiçoamento musical, lá permanecendo por três anos. O mais louvável feito em toda sua carreira de pianista e compositor foi que em todos os momentos por ocasião de seus recitais, palestras, entrevistas para emissoras de rádio e televisão, centros culturais ou debates, somente os fazia quando se tratasse de abordar qualquer tema sobre música brasileira, portando-se como um verdadeiro representante das raízes culturais de seu povo.

Um diplomata por excelência visitando mais de quarenta e cinco países. Seu primeiro recital público na Alemanha teve como palco o Salão Nobre do Hotel Alster-Hof de Hamburgo, totalmente lotado e com as presenças dos Cônsules do Brasil e de Portugal. Em 1960, ainda na Alemanha, passou a frequentar o Curso de Piano no Klaersches Konservatórium der Musik de Hamburgo, com a direção de Manfred Mentzel.

Seu segundo e mais importante recital na Alemanha ocorreu em 09 de junho de 1960, dia de seu aniversário de 33 anos, na cidade de Hamburgo, tendo se apresentado na Ibero-Amérika Haus. Nessa oportunidade, difundindo nossa cultura, expôs artigos típicos e folclóricos do nosso país. Sua diversidade musical alcançou destaques mais significativos, como as apresentações nesse mesmo ano em Haia, Amsterdan e Roterdan, na Holanda. Na Floriade de Haia (um parque magnífico, onde o setor de horticultura holandês apresenta suas últimas tendências e avanços para o resto do mundo), quando de sua apresentação, teve a honra de ser cumprimentado pela Rainha Juliana, da Holanda.

Ainda em 1960, apresentou-se em França-Paris. Seu recital tendo como palco na Maison Du Brésil (Citê Universitaire), contou com a presença marcante do musicólogo e folclorista brasileiro Luiz Heitor Corrêa de Azevedo, representante do Brasil na Divisão de Música da União Pan Americana em Washington e, mais tarde, no Comissariado de Música da UNESCO, sendo autor de uma obra rara denominada “150 anos de música no Brasil” (1800-1950) e editada em 1956. Com uma abnegação a toda prova e um amor de corpo e alma pela cultura brasileira, vem a programar em 1960 pela Rádio Difusion e Tv Française, em Paris, músicas de sua autoria constantes de seu long play “Se a Cidade Contasse...”, no Programa Cruzeiro do Sul.

Em 1961, manteve contato com o Carl Orff, compositor alemão e um dos mais destacados do século XX, famoso sobretudo por sua cantata Carmina Burana. Ainda nesse ano, seria testemunha ocular da história, ao presenciar para sua grande tristeza a construção do “Muro de Berlin”. Esse muro, além de dividir a cidade de Berlin ao meio, simbolizava a divisão do mundo em dois blocos ou partes: de um lado a República Federal da Alemanha (RFA), que era constituída pelos Países Capitalistas liderados pelos Estados Unidos; de outro, a República Democrática Alemã (RDA), constituída pelos países socialistas e simpatizantes do regime totalitário soviético. Isso veio a motivá-lo a compor “Die Mauer” (O Muro), primeiramente para o piano e depois com orquestração, composição essa que faz parte da “Série Impressões Européias”, editada em um Álbum pela Ricordi Brasileira, São Paulo.

Em 1962 podemos afirmar que foi um ano muito proveitoso e de enriquecimento cultural para a carreira que abraçou. Foram várias participações importantes do decorrer desse ano, dentre elas, o Certificado de Frequência do Curso “A Música em Nosso Século” pela Hamburger Volkshochschule (Alemanha), ministrado pela Professora Friedel Hollern; Recebeu Bolsa de Estudos pela Fundação Calouste Gulbenkian de Lisboa- Portugal, sobre estudos da relação musical folclórica entre a música do Brasil e de Portugal, tendo como orientadores os maestros Fernando Lopes Graça e Vergílio Pereira, bem como a participação do Dr. Jorge Dias. Na mesma Lisboa e também pela mesma Fundação, frequentou o Curso de “Evolução da Música Culta no Brasil”, curso esse ministrado pelo musicólogo alemão-uruguaio Francisco Curt Lange; Ainda em Portugal frequentou o Musical de Férias em Costa do Sol, no Estoril, sendo orientado por Alexandre Pitanic, de Salzburg-Áustria com ênfase em Direção de Orquestra, e, Jorge Croner de Vasconcelos. Em 1963 vem a lançar seu primeiro livro intitulado “Brasil – Folclore Para Turistas” pela Editora Áquila S/A de São Paulo sob a direção do Profº José Júlio Stateri. Esse livro foi lançado visando os Jogos Pan-Americanos de São Paulo, tendo sua tiragem se esgotado rapidamente, devido sua preciosidade de informações.   

Sua tão esperada volta ao Brasil ocorreu no ano de 1964, ano esse marcado pelo governo militar na luta contra o terrorismo. Em seu país de origem teve todo o reconhecimento que podia ser oferecido a um maestro de primeira grandeza, sendo nomeado Professor Catedrático de Piano para o Conservatório Dramático e Musical Dr. Carlos de Campos, de Tatuí-SP, nomeação essa conferida a nível estadual. Nessa Escola de referência nacional, também fez parte do Conselho Administrativo e do Forum da mesma. Em 19 de dezembro de 1964, em noite de gala no Rio de Janeiro, teve pelo consagrado Ballet de Meudes (Stamato), suas composições apresentadas no Teatro Municipal, sob a regência do maestro Max Kreiter e ao piano Kátia Stamato Meneses. Em 1968, apresentou recital e entrevista na Rádio Ministério da Educação e TV Educativa e Cultural de Lima-Peru. Nesse mesmo ano, também se apresentou e foi entrevistado pelo Canal 2 para o programa de Renny Ottolina (televisão) de Caracas-Venezela, oportunidade em que foi contemplado com o maior cachê pago no exterior.

Em 1976 teve seu nome lembrado na Revista “A Arte Brasileira” do Ministério das Relações Exteriores, pelo Setor “Música Para Todas as Embaixadas e Consulados do Brasil”. Em 1977 teve suas composições apresentadas na Exposição de Música Contemporânea Brasileira na Embaixada do Brasil em Tóquio-Japão, o mesmo ocorrendo na Embaixada Brasileira em Ottawa-Canadá, por iniciativa do compositor Luiz Carlos Vinholes. Também nesse mesmo ano, foi mencionado no “Catálogo Partiture” do Instituto Ítalo Latino Americano do Centro de Documentazione de Roma-Itália, bem como no International Who/s Who in Music and Musicians Directory-International Biographical Center-Cambridge-Inglaterra.

Em janeiro de 1978 frequentou na Universidad de Chile, em Santiago, o Curso Nietzche y Wagner, curso esse ministrado pelo compositor Domingo Santa Cruz Wilson. Em 1979 novamente foi mencionado em “The Piano Quarterly” em Composições Representativas para piano de compositores brasileiros de New York-USA. Em 1980 tornou-se membro da Internationale Organization Fur Volkskunst de Viena-Áustria. Ainda nesse mesmo ano algumas de suas composições para piano fizeram parte de um importante concurso intitulado “klavierwelttbewerb brasilianishe musik dês 20 jahrhunderts” da mesma Escola Superior de Música de Viena-Áustria. Em 1984 tem seu nome lembrado pelo Conservatório Musical Souza Lima, em São Paulo, com a inauguração do Museu Folclórico Yves Rudner Schmidt em sua homenagem.

Em 1995 apresentou-se no Konservatuvari Medere-Mimar Sinan Oniversitesi em Istambul-Turquia, com recepção pelo Diretor Profº Nuri Jyicil e dos compositores Cengiz Tanc e Ilhan Usmanbaç, recepção essa digna para um maestro de tamanha projeção e importância para cultura musical. Em 1996 suas composições fizeram parte no Festival “Musik Abad Ke 20an” em Devan-Budaya, na Universiti SAIA Malaysia, na Malásia. Em 1998 com regência do Maestro Samuel Kerr, o Coral Lírico Paulistano apresentou composições de sua autoria sobre poesias de Paulo Eiró, no Teatro Municipal de São Paulo. Em 1999 quis o destino e por bênçãos de Deus que sua última apresentação tivesse como palco sua cidade natal, quando executou “Estudos transcendentais” de Francisco Mignone. Essa apresentação ocorreu no Espaço Cultural Mestre Justino.

Em 2002 foi eleito Membro Efetivo na Academia Taubateana de Letras, sendo-lhe conferida a Cadeira de nº 16, cujo Patrono é  Monsenhor Antonio Nascimento Castro. Em 2003 receberia aquela que é considerada a mais alta condecoração do Município, a Comenda Jacques Félix, outorgada a personalidades que elevam e dignificam o nome da cidade de Taubaté. Em 2004 a Orquestra do Conservatório Dramático e Musical de São Paulo, sob a regência do Maestro Ricardo Rossetto Mielli, apresenta composições de sua autoria na Capital Paulista, nos  Teatros São Pedro e Sérgio Cardoso, no Memorial da América Latina, no Mosteiro da Luz, na Assembléia Legislativa do Estado, na Catedral da Sé, na Sala São Paulo, dentre outros. Em 2010, em Taubaté, a Prefeitura Municipal através de sua Diretora Ana Lourdes Candelária de Mattos, nossa querida e eterna “Duda” e com organização e montagem pelo artista plástico Márcio Gotard, inauguraria o Museu Yves Rudner Schmidt no Centro Cultural Municipal, com miniaturas de pianos que ao longo de sua vida adquiriu, procurando dessa forma transmitir e propiciar às gerações vindouras a beleza de uma vida voltada para a Arte Divina que Deus nos deixou: A Música. Em 24 de maio de 2013, a Academia Taubateana de Letras o empossou como Acadêmico Honorário, cujo Patrono é Gastão Schmidt.

Maestro Yves Rudner Schmidt! A sua importância para o enriquecimento de nossa cultura transcende aos elogios e referências do qual foi, em toda sua carreira artística, objeto de explanação. Quando os homens têm coração, até os prisioneiros beijam a mão de quem os encarcerou. Somos eternamente gratos por toda a beleza transmitida em cada toque de seus dedos para extrair uma nota musical em um piano, em cada pensamento para tornar uma música bálsamo para nossos corações aflitos e em cada olhar dirigido ao seu público que sempre o admirou e o tem como exemplo a ser seguido. Que neste dia 09 de junho de 2013, dia em que comemora seus oitenta anos de vida, o Criador derrame bênçãos sobre seu coração, em forma de ternura e amor. São os desejos de alma deste amigo que o respeita e o admira. Profº Gilberto.

 

OBRAS LITERÁRIAS PUBLICADAS PELO AUTOR.

  1. Brasil, Folclore Para Turistas, Edição 1964;
  2. Folclore Brasileiro Para Flauta Doce e Textos, Edição 1977, Irmãos   Vitale Editores, São Paulo;
  3. Folclore Paulista Para Flauta Doce e Texto, Edição 1978, Irmãos  Vitale Editores, São Paulo;
  4. Novo Método Para Piano (Revisão), de A. Schmoll, 5 volumes,   Irmãos Vitale Editores, São Paulo;
  5. Método Completo de Divisão Musical (Ampliação e Revisão de Bona), Irmãos Vitale Editores, São Paulo;
  6. A Música em São Paulo Nos Séculos XVII e XVIII, Jornal da Música, Irmaõs Vitale Editores, Ano 5, nºs 24 e 25, Edição 1981;
  7. Nosso Folclore, Minha Música (Participação), em “Antologia de  Folclore Brasileiro”, de Américo Pellegrini Filho, Editora Edart, São  Paulo, Edição 1982;
  8. Participação nas Coletâneas da Academia Taubateana de Letras,  nºs I, V e VII;
  9. Revivendo Taubaté, I Tomo, Edição 2000;
  10. Revivendo Taubaté, II Tomo, Edição 2002;
  11. Te Deum Laudamus em Taubaté, Edição 2002;
  12. Os Germânicos em Taubaté, Edição 2002;
  13. Cartas para um Músico, Edição de 2003;
  14. Exaltação ao Mons. Antonio Nascimento Castro, Edição 2003;
  15. Revivendo Taubaté, III Tomo, Edição 2004;
  16. Portais de Taubaté, Edição 2004;
  17. Lydia Rudner Schmidt (Uma Vida), Edição 2004;
  18. A Municipalidade e Eu, Edição 2005;
  19. Taubaté em Foco, Tomo I, Edição 2005;
  20. Minha Música no Paraná, Edição 2006;
  21. Lyricas Taubateenses, Tomo I, Edição 2006;
  22. Lyricas Taubateenses, Tomo II, Edição 2007;
  23. Lyricas Taubateenses, Tomo III, Edição 2007;
  24. Lobato em Minha Música, Edição 2007;
  25. Folclore (vivência, Estudo, Transmissão), Edição 2007;
  26. O Velho Theatro São João de Taubaté, Edição 2008;
  27. História da Música Erudita em Taubaté, Edição 2008;
  28. Taubaté em Foco, Tomo II, Edição 2010;
  29. História da Música Erudita em Taubaté, Edição 2012;
  30. Esses Taubateanos incríveis, Edição 2012.

 

 

PROFº GILBERTO DA COSTA FERREIRA - HISTORIADOR, PESQUISADOR E ESCRITOR. COORDENADOR TÉCNICO DO MEMORIAL GENERAL JÚLIO MARCONDES SALGADO.

cfgilberto@yahoo.com.br

 

Compartilhar essa informação:
Deixe um comentário:
Título:
Comentário:
Nome: E-mail:
 
Honra e orgulho de minha querida Taubaté. | 04/04/2016
Honra e orgulho de minha querida Taubaté. | 04/04/2016 Honra e orgulho de minha querida Taubaté. | 04/04/2016 É uma honra saber que Taubaté é feita de pessoas ilustres e com tanto gabarito. Além do nosso digníssimo Maestro, tantos outros colaboraram com o crescimento cultural de nossa cidade. É uma honra deixar aqui o meu agradecimento e orgulho à minha tia Judith Mazella de Moura, também Jornalista, Advogada militante e Poetisa, que tanto engrandeceu nossa cidade.
Ana Giovanelli Garcia Martins.

Agradecimentos | 07/11/2013
Querida amiga! O Maestro Yves é meu grande amigo e juntos com outros amigos comemoramos seu aniversário deste ano. Quisera ter a felicidade de ter sido seu aluno como você o teve. Meus agradecimentos por ter visitado este Blog, o qual procura resgatar memórias oportunas de pessoas ilustres como o Maestro Yves. Um grande abraço. Profº Gilberto.
Profº Gilberto da Costa Ferreira

Ilustre brasileiro | 07/11/2013
Sensacional matéria deste ilustre Brasileiro...tive a honra de ter sido sua aluna, quando lecionava aulas de Artes na Escola Estadual Profº Pedro Vóss, em São Paulo - SP (1980/1982). Fico feliz em conhecer sua história...


Do São Paulo profundo e de Taubaté... | 22/10/2013
“Yves Rudner Schmidt vem do São Paulo profundo, de Taubaté, trabalhando com muita operosidade. Aperfeiçoou-se na Capital paulista e no exterior, em piano e composição. Já assegurou seu discreto lugar na história da música brasileira baseada na riqueza do folclore paulista”.
Vasco Mariz (Historiador, Musicólogo, Escritor e Diplomata Brasileiro).

Mérito... | 22/10/2013
“Há um mérito particular no trabalho de Yves. É que ele parece não ter escrito, parece que está falando, taubateanamente, discorrendo sobre gente, coisas, fatos. Sem preocupações, sem literatice, sem pieguice, sem esforço. Lê-lo, é ouvi-lo bater um papo como quem tem o que contar, sabe o que dizer e como dizer”.
Hernani Donato (Escritor, Historiador, Jornalista, Professor e Tradutor).

Do Oriente ao Ocidente... | 22/10/2013
“Yves andou por seca e Meca, do oriente ao ocidente, de cima a baixo mundo a fora. Em toda parte sempre evocou, comparou, robusteceu o bem querer de sua terra natal. Suas produções musicais foram e são festejadas como dignas de figurar entre os principais compositores, especialmente reverenciados deste país. O Yves é internacional, seja como intérprete ao piano, seja como assinante de peças ouvidas em grandes capitais que ditam as escalas de valores em evidência”.
Hernani Donato (Escritor, Historiador, Jornalista, Professor e Tradutor).

Abrace todos os taubateanos... | 22/10/2013
“... lendo sua missiva interparo nas suas últimas linhas quando você me diz: se você puder, abrace todos os taubateanos e diga que foi Yves que mandou...”. (A Tribuna de Taubaté – 09/06/1961)
João Dias Monteiro (Jornalista, Escritor e Poeta)

Consagrado compositor | 22/10/2013
“... lembrando o nome de nosso jovem e brilhante conterrâneo Yves Schmidt, já consagrado compositor, para dirigir o Conservatório Musical de Taubaté”. (Cesídio Ambrogi, (A Voz do Vale do Paraíba, 05/01/63).
Judith Mazella Moura (Advogada e Jornalista).

Orgulho de nossa gente... | 22/10/2013
“... Yves Rudner Schmidt, jovem, glorificado compositor taubateano... a imprensa falada e escrita desta região já teve a oportunidade de nos dizer, em seus amplos comentários a respeito da impressionante mensagem de beleza sonora que esse inspirado moço, nosso conterrâneo ilustre... para orgulho de nossa gente, de nossa cidade, bem como de todo o Vale do Paraíba... O Brasil de hoje parece caminhar não pelos pés das crianças como nos afirmava Lobato, mas sim pelos pés dos Pelés e pelas cabeças dos Yves. O pé é a base do monumento que é a cabeça. Parabéns, Yves. E muito obrigado”. (A Tribuna de Taubaté – 17/08/68).
Cesídio Ambrogi (Professor, Escritor e Jornalista)

Homem de princípios | 22/10/2013
“Yves Rudner Schmidt, dono de obra numerosa e sólida, grande parte da qual já está editada e estreada... modesto e retraído por temperamento, por isso não aparece em jornais, não entra em polêmica, não corre atrás dos intérpretes e como não ocupa cargo público ou manipula verbas e programações, suas obras são executadas pelo que tem de valor em si, muitas vezes sem alarde ou qualquer divulgação...”. (Década de 70 do século passado).
Afonso de Moura Ferreira (Escritor, pianista e Presidente da Sociedade Brasileira de Música Contemporânea)

Artista diplomata | 22/10/2013
“... anda rodando pelo mundo sob o embalo da música, como sonho e realidade de um moço idealista... Está como que “bancando” o artista diplomata...”. (A Tribuna de Taubaté, 22/02/77)
Evandro Campos (Jornalista)

Vulto da cultura taubateana | 22/10/2013
“...Yves. Aí está você, um dos vultos da cultura taubateana...”. (Diário de Taubaté, 15/04/77).
Lygia Fumagalli Ambrogi (Poetiza, Jornalista, Advogada e Professora).

Um taubateano de origem teutônica... | 22/10/2013
“... leve, nítida e suave é a música pianística de Schmidt. Mostra muito do “piano brasileiro”, tangida por mesclas elegantes... Como taubateano, somente tenho que me orgulhar desse verdadeiro conterrâneo de origem teutônica...”. (Diário de Taubaté, 12/05/99).
Cesídio Ambrogi Filho (Médico e Jornalista).

Valorização da prata da casa... | 22/10/2013
“... Yves Rudner Schmidt é um valor nosso e se o apresento sempre é pelo fato de que gosto de valorizar prata da casa...”. (A Voz do Vale do Paraíba, 12/07/2000).
Judith Mazella Moura (Advogada e jornalista)

Trabalho internacionalmente conhecido. | 22/10/2013
“... Yves trabalhou muito e teve reconhecido internacionalmente pelo seu trabalho... um artista taubateano consagrado que honra e dignifica a sua gente...”. (Matéria Prima, 17 a 23/11/2000).
Horton Sidnei Cunha (Escritor)

Difusão de talento brasileiro e taubateano... | 22/10/2013
“... esse artista simpático e elegante, que já viajou o mundo inteiro difundindo o talento brasileiro e taubateano.” (O Independente de Taubaté, 09/2001). )
Conceição Fenille Molinaro (Educadora e Escritora)

Música para o Brasil e o mundo... | 22/10/2013
“... ouvindo falar de Yves Rudner Schmidt, taubateano que tem levado com sua música para todo o Brasil e países europeus, resolvi falar um pouco sobre ele para avivar a memória dos taubateanos...”. (Matéria Prima, 12 a 18/10/2001).
Thereza Freire Vieira (Médica e Escritora)

Maior dos músicos taubateanos | 22/10/2013
“... Yves Rudner Schmidt é o maior dos músicos taubateanos vivo. Intelectual de primeira dimensão. Empossado em uma das cadeiras da Academia Taubateana de Letras...”. (Jornal da Cidade,19/12/2002.
Djalma Castro - Advogado

Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 - Proibida reprodução sem autorização
Desenvolvido por Fábrica5